Os novos profissionais capazes de extrair conhecimento útil para o negócio a partir da análise dos dados que proliferam nas organizações e na rede é provavelmente o perfil mais demandado pelo mercado atualmente. Se prevê que nos próximos seis anos, o Big Data gerará 900.000 postos de trabalho em todo o mundo e se calcula que as empresas que fazem um uso inteligente dos dados aumentarão em 8% a sua produtividade.

De Carlos García Moreno 13/04/2017

Big data é atualmente imprescindível para as empresas em qualquer âmbito de negócio e a quantidade de dados em circulação e, por conseguinte, o armazenamento necessário aumenta diariamente. A maioria das empresas com visão de futuro reconhecem o valor destes dados e supõem para elas um fator essencial para a tomada de decisões relacionadas com sua estratégia empresarial. Mas esta possibilidade hoje em dia não se aproveita totalmente, já que infelizmente, a maioria dos Big Datas residem em “depósitos” que fazem com que se diminua sua eficácia.

De Carlos García Moreno 03/03/2017

Em uma entrada anterior analisamos os movimentos do Google no campo da Inteligência Artificial, mais especificamente em algoritmos e ambientes de desenvolvimento para aplicações de Machine Learning.

O Google, evidentemente, não está sozinho nesta corrida frenética para desenvolver e aplicar técnicas de aprendizagem automática em diversos âmbitos, por isso neste artigo são analisados os movimentos de alguns de seus principais concorrentes.

Watson de IBM

De Carlos García Moreno 03/03/2017

Em artigos anteriores, analisamos as movimentações da Google e outras grandes empresas de tecnologia na área de Inteligência Artificial e, mais especificamente, em algoritmos e ambientes de desenvolvimento para aplicações de Machine Learning.

Nesta terceira edição analisamos as iniciativas da Microsoft para desenvolver e aplicar técnicas de aprendizagem automática em vários âmbitos, posicionando-se assim neste mercado promissor.

De Ben Schneider 03/03/2017

As bases estruturais da nossa economia se apoiam em contratos, transações e registros que dão solidez a acordos que são parte inerente da ação econômica do ser humano.

Isto permite verificar identidades, detalhar direitos e deveres que acabam governando as relações entre estados, organizações e indivíduos.

Para sustentar esta prática é requerido instituições e profissionais que realizem trabalhos burocráticos que o sistema demanda. Mas como convive este sistema em uma era de transformação digital?

De Carlos García Moreno 17/02/2017

Como comentamos no artigo “O que é Deep Learning e para que serve? ”, a Inteligência Artificial e, especificamente, o Deep Learning, voltou a estar no auge nos meios de comunicação este ano, quando o programa “AlphaGo” do Google venceu o campeão do jogo de tabuleiro “Go”.

Neste artigo são analisados os movimentos do Google para posicionar-se no promissor mercado da Inteligência Artificial.

Google e o Machine Learning

De Ben Schneider 17/02/2017

Os dados gerados pelas organizações são hoje o centro da disrupção que vem ocorrendo no mundo dos negócios. As empresas se perguntam quanto devem valer os dados que armazenam. Este valor está ligado a como são utilizados. Pode ser que hoje somente explorem uma fração deles, porém, no futuro próximo, poderá se transformar na fonte para desenvolver novos produtos e, por que não, novos mercados.

De Ben Schneider 01/02/2017

Conforme um executivo progride em sua carreira por meio de ações que mostram empatia, eficiência, colaboração, transparência e tratamento justo, surge um comportamento nocivo que faz com que quanto mais poder obtém e sente que já  integra o grupo de elite, mais começa a exteriorizar um comportamento rude, egoísta e até pode chegar a desenvolver atitudes em desacordo com a ética.

Já se sabe que o poder tem a capacidade de corromper, mas como combater este fenômeno na empresa a fim de evitar os efeitos nocivos que atitudes deste tipo gera, é um tema prioritário.

De Carlos García Moreno 01/02/2017

Como vimos anteriormente, atualmente os gigantes tecnológicos estão apostando fortemente na Inteligência Artificial. A seguir, daremos algum dados de mercado que justificam esses movimentos.

No início deste ano, Scale Venture Partners previu que em 2016 as aplicações de negócios ficariam mais inteligentes com a aprendizagem automática.

Depois do seu anúncio, a HBO está disposta a oferecer todos os tipos de séries e filmes. O serviço pode ser experimentado por 3 meses gratuitamente. Depois deste período, se quisermos continuar, pagaremos 7,99 € por mês. O Vodafone incluiu esse valor entre suas tarifas. E o que podemos assistir? Muitos sucessos do canal: Game of Thrones, True Detective, The Young Pope, Família Soprano, Sex and the City, O Exorcista, Girls, Veep, …. E um monte de filmes. Isso preocupará a Netflix?

De Carlos García Moreno 17/01/2017

Embora estejamos falando há décadas sobre as possibilidades da realidade virtual, foi em  2016 que ela alcançou seu maior potencial no mercado. De fato, já estão em uso para aplicativos comerciais de jogos. Empresas como Facebook e Google a utilizam para aplicativos relacionados a entretenimento (mais de 2,5 milhões de HEADSETS foram vendidos no último ano).

De Carlos García Moreno 10/01/2017

Neste post podemos encontrar  as dez principais tendências tecnológicas estratégicas para o ano de 2017 de acordo com Gartner, aquelas que, segundo a consultoria, terão maior potencial disruptivo nos próximos cinco anos e se transformarão em facilitadores fundamentais para aproveitar as oportunidades de negócio que surgem nos novos ambientes, digital e algorítmico.

 

Pues ya estamos de nuevo aquí para repasar las noticias tecnológicas y con ellas finalizamos ya el mes de octubre. Nitendo Switch, la nueva consola portátil, ha asomado la patita con un tweet y un vídeo. Se han dado algunos detalles, como que se podrá usar también conectada a la TV, la pantalla se podrá quitar de la base, para usarla dónde queramos, y funcionará con cartuchos. Llegará a las tiendas en marzo.

Vaya follón que se está armando con Whatsapp y sus nuevas condiciones. Recordáis que hace unas semanas hablamos del mensaje que nos empezó a saltar en Whatsapp con sus nuevos términos cuyo principal cambio es que permite al servicio de mensajería intercambiar los datos con la app de Facebook. Bueno, pues resulta que ahora es obligatorio aceptar dichos términos si quieres seguir usando Whatsapp.

Vamos a empezar este repaso tecnológico desde el MIT, que siempre nos sorprende con inventos curiosos. Y es que en el MIT ha estado trabajando en desarrollar una cámara que permita leer un texto de un libro sin necesidad de abrirlo. Sí, sí, como lo leéis. ¿Y para qué puede servir esto? Pues podría ayudar a museos e investigadores cuando tienen que vérselas con viejos libros muy valiosos que pueden romperse o dañarse.