• O relatório, realizado em colaboração com o Escritório do Primeiro Ministro, tem como objetivo valorizar o trabalho dos governos que estão incorporando estas tecnologias para prestar serviços mais eficientes para transformar a vida dos cidadãos
  • O trabalho destaca um total de 14 casos de estudo, selecionados depois de realizar uma análise de 73 iniciativas em 32 países dos cinco continentes
  • A impressão 3D de réplicas de órgãos para preparar intervenções, o uso de veículos autônomos no transporte público ou plataformas IoT para prestar assistência remota a doentes crônicos são algumas das práticas que o estudo destaca como referência.
  • As tecnologias se classificaram em nove categorias, como Artificial Intelligence, Blockchain, Robotics&Space ou Smart Platforms e os projetos foram avaliados sobre os critérios de sustentabilidade, disponibilidade, escalabilidade, inovação e impacto
  • Os projetos estão colaborando com o abastecimento, em uma média de 15 minutos, de reservas de sangue em zonas ilhadas graças ao uso de drones; ou a diminuição em 40% das visitas dos pacientes aos hospitais, entre outros.

Indra, uma das principais empresas globais de consultoria, uniu em um relatório realizado em colaboração com o Escritório do Primeiro Ministro dos Emirados Árabes Unidos (EAU) uma seleção de 14 destacados casos de estudo em escala global considerados como referência nas aplicações das tecnologias emergentes a melhoria da eficiência dos serviços públicos e transformação da vida dos cidadãos. O estudo “Best Government Emerging Technologies” se enquadra dentro das atividades apresentadas dentro do acordo que mantem os EAU com o Foro Econômico Mundial para estabelecer um plano destinado a estudar e implantar medidas relacionadas com a “Quarta Revolução Industrial” provocada pela adoção de tecnologias emergentes.

O relatório partiu de uma profunda análise que culminou na identificação de um total de 27 tecnologias emergentes agrupadas em nove categorias, entre as que se incluem: Artificial Intelligence, Blockchain, Citizen Engagement&Analytics, Cloud and High Performance Computing, Nanotecnology, New Factoring, Robotics&Space, Smart Platforms y Virtual Word.

Assim, por exemplo, na categoria de Artificial Intelligence, foram incluídos casos como o Centro Inteligente de Operações do Departamento de Ciência e Tecnologia do Governo das Filipinas, que, mediante o uso deste tipo de tecnologia, permite prevenir e gerenciar catástrofes; ou a iniciativa do Governo dos Países Baixos, que utiliza técnicas de Machine Learning para detectar casos de abuso infantil. É muito relevante também o serviço “Conversation as a Platform”, impulsionado pelo Governo de Singapura, que permite aos cidadãos interagir com os serviços públicos por meio de um chatbot um robô com habilidades muito similares às dos seres humanos capaz de simular uma conversação com uma pessoa.

Destaca também a iniciativa do Governo da Estônia baseada na aplicação de Blockchain em diferentes áreas, especialmente para automatizar o intercâmbio de informações sanitárias, protegendo de forma efetiva a identidade e os dados pessoais do paciente contra ataques de informática. Também no âmbito da saúde, mas enquadrada na categoria de New Factoring, se incluem em um projeto pioneiro liderado pela Clínica Mayo para imprimir em 3D réplicas de órgãos e ossos com a finalidade de preparar melhor as intervenções cirúrgicas.

Dentro da categoria de Citizen Engagement&Analytics, o informe coloca em destaque iniciativas como a empreitada do Governo da Dinamarca, que dispersou vários pilotos em diversas regiões para prestar assistência integral e remota a pacientes e explorar a informação pessoal por meio de dispositivos como Smart Watches, que orientam o paciente sobre hábitos saudáveis personalizados

Por outro lado, na Robotics&Space, o estudo recolhe experiências como o piloto impulsionado pelo Governo de Singapura para promover o uso de veículos autônomos no transporte público e fomentar a economia colaborativa; o projeto do Governo de Ruanda para transportar, por mio de drones, reservas de sangue destinadas a transfusões de pacientes localizados em zonas remotas. Outro caso destacado na Índia, que foi desenvolvida uma indústria, não somente para fabricação, mas também para lançamento de Cubesats (satélites em miniatura) de uma forma econômica, que permitirá aos governos prestar serviços que até o momento não eram viáveis pelo custo da aquisição e construção de satélites e colocação em órbita.

Também no âmbito da saúde, mas dentro da categoria de Smart Platforms, se destaca o projeto Telea, impulsionado pela saúde galega e baseado em uma plataforma de IoT para prestar assistência remota a doentes crônicos. A plataforma permite uma interação entre múltiplos sistemas médicos e diferentes dispositivos tecnológicos para atuar em tempo real em função da informação recebida sobre cada paciente e a análise de sua informação clínica graças a suas capacidades de Big Data.

Outras iniciativas nesta seção, são os sistemas de detecção de fugas de água potável em tempo real, posto em funcionamento pelo Governo Metropolitano de Seul; a criação de uma infraestrutura de acesso livre a Internet of Things em Londres para melhorar a vida dos cidadãos e oferecer as vantagens e oportunidades desta tecnologia a startups; e a plataforma Amsterdã Smart City, que facilitou, até o momento, o desenvolvimento de 140 projetos e pilotos em diferentes âmbitos para melhorar a qualidade de vida de seus cidadãos.

Por último, na categoria de Virtual World, destaca a plataforma desenvolvida pelo Departamento de Neurocirurgia da Universidade de Stanford para realizar a reconstrução virtual da anatomia e patologia do paciente combinando tecnologias de simulação de voo com imagens médicas digitais. O paciente se beneficia da tecnologia imersiva para recorrer, em companhia do cirurgião, o interior do seu corpo e conhecer o alcance da intervenção.

Os casos de êxito foram selecionados como exemplos destacados do uso das tecnologias em Administrações Públicas e governos depois de realizar uma análise de 73 iniciativas neste âmbito desenvolvidas em 32 países nos cinco continentes.

 

Impacto nos serviços públicos e cidadãos

Todos os casos de estudos coletados no relatório são uma mostra de como a experimentação com tecnologias emergentes permite aos governos oferecer serviços públicos mais eficientes e efetivos, capazes de criar maior valor agregado e transformar a vida das pessoas.

Assim, por exemplo, no âmbito da saúde, o uso de drones facilita que hospitais localizados em zonas ilhadas possam receber, em uma média de 15 minutos, reservas de sangue mediante o envio prévio de uma mensagem de texto. Também a impressão em 3D de órgãos e ossos permite diminuir o tempo empregado nas intervenções e obter resultados muito mais previsíveis. E o uso de Smart Platforms baseados em IoT para a assistência remota está melhorando a qualidade de vida dos pacientes e colaborando com benefícios quantificáveis como a diminuição em 40% de suas visitas a hospitais ou a redução de 30% no custo associado ao cuidado de doentes crônicos no hospital.

Por outro lado, a inteligência artificial mostra ter um forte impacto na segurança dos cidadãos por meio de centros inteligentes de operação porque constituem o melhor apoio para a tomada efetiva de decisões dos governos ante uma emergência assim como um importante ponto de partida para prever e abordar outras futuras. Os benefícios se estendem a problemas de grande relevância social como o abuso de menores já que, graças a estruturação da informação e técnicas de machine learning, o Departamento de Saúde dos Países Baixos realizou um piloto em que, a partir da informação introduzida sobre 13.170 crianças nascidas em 2010 na região de Amsterdã, se obtiveram dados que indicavam que durante seus primeiros quatro anos de vida um total de 657 haviam sido supostamente vítimas de abusos. Por último, os sérvios de informática conversacional “conversations as a platform” permitem prestar atenção aos cidadãos todos os dias e a todas horas por meio de conversações pseudo lógicas e inteligentes.

Outros impactos estão relacionados com a melhoria do meio-ambiente e a mobilidade urbana, como é o caso dos veículos elétricos autônomos para o transporte público que estão ensaiando com êxito em Singapura; o fornecimento de água potável por meio de uma plataforma Big Data, o projeto que impulsionou o governo de Seul e que permitiu reduzir em 15 anos mais de 70% das fugas de água potável.

Por último, os usos de plataformas urbanas para gerenciar os serviços da cidade em uma cidade como Amsterdã se traduziram também em importantes eficiências. Assim, por exemplo, a instalação de iluminação inteligente gerou uma economia de 10 bilhões de euros anuais; o sistema de tráfego inteligente conseguiu reduzir em 10% a porcentagem de horas perdidas nos veículos; e o sistema de Smart Shipping Traffic para a abertura e fechamento inteligente das pontes permitiram reduzir em 80.000 euros o custo de manutenção de cada ponte.

 

Foco

Com a finalidade de identificar as tecnologias emergentes, contamos com a colaboração de um grupo de especialistas da Indra de diversos âmbitos e soluções digitais, que trabalharam em colaboração com técnicos especializados do Escritório do Primeiro Ministro dos EAU. Da mesma forma, tiveram consideração a todas as iniciativas e programas de inovação patrocinados pela Comissão Europea, como Emerging Technology Flagships, EIT Digital, ou European Technology Platforms, entre outros.

Depois da classificação das tecnologias identificadas nas nove categorias mencionadas, procederam realizar sua descrição, incluindo seu valor agregado, grau de maturidade assim como o impacto potencial que cada caso de estudo poderia ter na sociedade. Além disso, foram incluídos casos de estudo de aplicação de cada tecnologia na administração pública, salvo aqueles que, apresentando uma grande projeção, ainda se encontravam em fase de investigação e, portanto, não tiveram ainda repercussão palpável na vida dos cidadãos. Por outro lado, foram identificadas tecnologias já maduras, ou em fase de maturação, mas que ainda não foram utilizadas pela Administração Pública e que não foi possível incluir casos de êxito do setor público. Neste caso, se incluem casos do setor privado, indicando possíveis benefícios para o setor público.

Por último, os casos de estudo foram avaliados em cinco critérios: sustentabilidade, desde o ponto de vista social, econômico e meio ambiental; preparação, que inclui o grau de maturidade e disponibilidade da solução; replicação e escalabilidade, que fazem referência a possibilidade de que outras administrações públicas possam aplicar a solução; Inovação, que mede o grau de disrupção  e novidade da solução; e, por último, impacto, que mede a capacidade da solução para resolver problemas de âmbito público.

Para acessar o informe completo: http://www.indracompany.com/sites/default/files/best_government_emerging_technologies_.pdf

 

Sobre a Indra

Indra é uma das principais companhias globais de consultoria e tecnologia, a empresa líder em tecnologias da Informação na Espanha e o sócio tecnológico para as operações chave dos negócios de seus clientes em todo o mundo. Dispõe de uma oferta integral de soluções próprias e serviços avançados e de alto valor agregado em tecnologia, que combina com uma cultura única de confiabilidade, flexibilidade e adaptação às necessidades de seus clientes. Indra é líder mundial no desenvolvimento de soluções tecnológicas integrais em campos como Defesa e Segurança; Transporte e Tráfego; Energia e Indústria; Telecomunicações e Mídia; Serviços Financeiros; Processos Eleitorais; e Administrações Públicas e Saúde. Por meio da sua unidade Minsait, Indra dá resposta aos desafios da transformação digital. No exercício de 2016, Indra teve uma receita de 2.709 milhões de euros, 34.000 empregados, presença local em 46 países e operações comerciais em mais de 140 países. Depois da aquisição da Tecnocom, Indra soma uma receita conjunta de mais de 3.200 milhões de euros em 2016 e uma equipe de cerca de 40.000 profissionais

Descargar infografía
- 120.95 KB
Share